terça-feira, 30 de agosto de 2016

Da Medieval para o Renascimento.

 Mais um ano mais uma Feira Medieval.
 
 Este evento é aquele tipo de evento que é difícil de inovar e que corre bem se não se tentar grandes acrobacias na organização, mas penso que seja tempo de introduzir novidades na Feira Medieval de Esposende.
 
Em primeiro lugar,olhando para os eventos similares mais conhecidos podemos facilmente verificar que este tipo de eventos já começa a não ter a atração que tinha o que me leva a pensar que quem queira sobreviver terá que inovar.
 
Em segundo lugar, penso que a GalaicoFolia é o evento "de época" com maior potencial turístico para o nosso concelho. É o mais característico e a envolvente no Monte de Faro faz quase tudo, colocando as pessoas no verdadeiro espirito das povoações que ali habitavam e este deveria ser aquele que maior investimento merece por parte das forças vivas.
 
Em terceiro lugar, o imaginário medieval de Esposende e das suas terras é junto ao rio, ao mar, ligado ao sal e à pesca e embarcações.
 
E penso que esta deveria ser a grande evolução ou reorientação da Feira Medieval, termos uma Feira Medieval do Mar.
 
Algo ligado às pescas, aos barcos, às embarcações, ao comércio de peixe e do sal que esteve na génese do nosso concelho.
 
Além de ser uma lufada de ar fresco na Feira Medieval em si, era uma inovação a nível nacioanal e de certeza que seria motivo de interesse e de notícias na comunicação social.
 
Fica a dica.

Rescaldo dos bombeiros...

 Desculpem este meu desabafo, mas a praça pública esposendense tornou-se um palco que se assemelha a uma intriga colegial.
 
 Realço que quem menos falou foram as corporações de bombeiros e isso diz muito.
 
 Estátua para aqui, estátua para ali, estátua bonita, estátua feia, etc , não sei quantos euros para aqui, empresas para acolá, blogues, críticas, o abjeto conflito Benjamim-Cepa a incendiar-se novamente, defesas de honra, comunicados,etc, etc.
 
 Será que não temos nada mais importante para se discutir? Não existe mais nada que os opinadores, políticos, apolíticos e restantes forças queiram falar?
 
 Estamos no início do Ano Lectivo, porque é que o executivo e a oposição não ventilam uns puros e duros números sobre o aproveitamento escolar em Esposende, sobre o abandono escolar, sobre as qualificações médias dos jovens de Esposende? Seria mais produtivo.
 
 Estamos no final da época balnear, porque não discutirmos qual o real impacto das políticas de atração turística para o concelho nesta época, quantas pessoas cá estiveram, como estiveram os hóteis, os cafés, os museus? Seria mais interessante.
 
 Sei que estamos perto das eleições e tudo serão armas de arremesso mas não nos tomem por parvos.  

sábado, 27 de agosto de 2016

O braço esquerdo!

Continua a dar que falar a estátua aos Bombeiros!

Pela minha parte não conheço nem autores, nem mentores, nem consultores que possam ter estado envolvidos no pensamento da coisa.

Objectivamente merece-me uma palavra favorável a intenção.
Tudo o resto: localização, adequação e gosto (os que são discutíveis), sou claramente contra.
A localização é tremendamente infeliz. A ligação com a envolvente, entalada ali já em cima de uma floreira da praça, encostada a norte, ... não me parece ter sido devidamente pensada.
A obra em si... com um simbolismo devidamente fundamentado... parece-me ficar muitos furos abaixo do que seria expectável, pese embora a intenção da "mão" estar muito bem sacada, fugindo aos tradicionais machados, escadas, mangueiras.

Mais negativo que isto tudo é sem dúvida alguma o nível de indignação do Sr. Presidente da Câmara.
Li ontem no Esposende24 que o Sr. Presidente se sente vítima da maledicência e da crítica dos incompetentes, dizendo isto sobre o manto de que não se exalta com facilidade...

Ora isto está tudo muito bem, não fosse o facto de a gente tão bem saber o quanto o Sr. lida mal com a divergência de opinião! E tal vitimização não deixa de colocar a nú que alguém pensa que gere um Município da mesma forma que o seu porta-moedas! 

É natural que qualquer munícipe tenha opinião quando se gasta o que a todos pertence!
O dito popular "cada cabeça sua sentença" não foi suspenso durante o mandato em curso apesar de que lhe poderia dar um tremendo jeito.

Ninguém discordará da justiça da homenagem! O que o Sr. Presidente deveria cogitar era que ninguém se atreveria a colocar em questão a obra precisamente com receio de ofender as instituições. Felizmente ninguém chega a ponto tão mesquinho de confundir as coisas! Ninguém acreditará que divergir quanto à obra seja desconsiderar os bombeiros do concelho - a quem inequivocamente muito devemos e agradecemos.

Enfim...

Por último... resta-me dizer que é lamentável que se fale em limitação orçamental para um monumento aos nossos bombeiros, mas que haja €9.000,00 (nove mil euros) para um ajuste directo de "Prestação de Serviços de Transmissão de Um Documentário/Programa do Concelho de Esposende", que, a confirmar-se ser respeitante a um meio noticioso local (de emissão exclusiva on-line), não se percebe como necessita o Município de pagar para colocar on-line algo que poderia distribuir através do seu próprio site e facebook, tendo provavelmente o mesmo auditório.

Mais insólito ainda quando a adjudicatária em tal contrato é constituída em 01.08.2016 e em 08.08.2016 já é contratante num ajuste directo. Claro que toda a gente sabe o quão frequente é constituirem-se sociedades para fazer face à celebração de um contrato A ou B, sem que com isso venha qualquer acto "criminoso" ao mundo, mas que fica muito mal na fotografia fica.

€9.000,00 eram bem capazes de dar para mais um bracinho esquerdo para o bombeiro ou eventualmente uma prótese.

domingo, 21 de agosto de 2016

Summer Party e Limpeza!!!

Já disse, publicamente, que apesar de não ser contra os eventos de verão, uma vez que possivelmente aumentam o número de turistas, sou contra o valor que se paga por alguns desses eventos. 
Alguns dos eventos têm, certamente, um valor demasiado elevado para o retorno que deles advêm.

Mas não é isso que me leva hoje a escrever aqui umas linhas...

Hoje, dia seguinte à segunda noite da "Summer Party", o que me leva a escrever é a falta de limpeza que registei "in loco" no Parque Radical, local da festa. Uma grande quantidade de copos de plástico partidos (plástico mais rígido que aqueles dos copos descartáveis), uma quantidade de pauzinhos (daqueles que servem para "agitar" o Gin) entre outras coisas podiam ser encontradas no recinto.
Num local frequentado por muitas crianças, que por lá desfrutam do Parque Infantil e do extenso relvado para dar uns "chutos" na bola ou simplesmente correr, parece impossível que ninguém tenha pensado em limpar o recinto depois da festa!!! 
Pior, é que logo pela manhã estavam instalados insufláveis para usufruto dos mais pequenos, levando a mais afluência da pequenada que se poderia/poderá aleijar seriamente numa queda ou numa das suas explorações sensoriais...

Para além desta falta de limpeza, a estrutura metálica que por lá havia a suportar as bolas de cristal não foi retirada. Foi cortada pela raiz, ficando lá o resquício dos ferros que poderão ser causadores de algumas lesões. 

Esta falta de limpeza, a adicionar a uns quantos decibéis acima do normal durante a festa demonstram que se terá de ter uma preocupação não só com o turismo mas, também, uma preocupação por quem passa cá todo o ano e contribui para o erário público Esposendense. 

Notas:
1) Já agora, numa festa de anos 80, passem música dos anos 80;
2) No cartaz consta: "música dos anos 80's". Trata-se de um erro, ou se escrever "música dos anos 80", ou "música dos 80's";

Homenagem aos bombeiros

Falou-se muito da estátua de homenagem aos bombeiros do concelho de Esposende.

Antes de mais, quero saudar o meu amigo Nuno Mendanha e a sua irmã Vânia Mendanha pelo trabalho feito e por terem uma estátua numa das principais praças do concelho.

Não sendo arquiteto, paisagista ou urbanista, penso que a localização desta estátua poderia ser melhor, dentro de um dos jardins que existem naquela praça, já que a praça não é harmoniosa em termos de  distribuição de espaços e assim teria maior projeção.

Olhando para esta obra apetece-me dizer que, atendendo às críticas e aos elogios, a montanha pariu um rato.

Se por um lado a estátua não é esse elefante-branco que alguns disseram que ia ser, algo para encher o olho, por outro lado não tem tanto destaque na praça como os que a elogiavam.

Qual o maior ponto positivo desta estátua? Não foi inaugurada horas antes das eleições autárquicas como o Largo dos Peixinhos e a estátua ao Homem do Mar.  

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Força João Ribeiro!

Se ter 2 atletas presentes na mesma edição dos Jogos Olímpicos não é algo que muitas localidades se possam orgulhar, menos são aquelas cujos atletas chegam às finais.
A pouquíssimas horas de João Ribeiro se tornar no segundo atleta esposendense (depois de Teresa Portela) a participar numa final Olímpica, enviamos, desde o Largo dos Peixinhos até ao Rio de Janeiro, um abraço de muita força para o João.
Que as águas cariocas que, em anos idos, viram chegar centenas de esposendenses à procura de uma vida melhor, possam proporcionar ao João e ao Emanuel uma alegria incomensurável.
A disputa pelas medalhas constitui um motivo de orgulho para o concelho e para a freguesia que o viu nascer e crescer, bem como para as instituições locais que permitiram que o João tivesse este resultado.
Seria mais fácil escrevermos depois da prova concluída, fossem palavras de exaltação (caso o resultado seja aquele que tanto desejamos), fossem palavras de consolo e orgulho (caso o resultado não seja o pretendido).
Preferimos, porém, dar já esta nota, pois, aconteça o que acontecer, a prestação de João Ribeiro já entrou na História, pelo menos na nossa, e isso não deve passar em claro.
Escrevemos antes do João Ribeiro regressar às águas cariocas porque, aconteça o que acontecer, ficaremos sempre orgulhosos de poder partilhar o seu sucesso, de um nosso conterrâneo, e isso não deve passar em claro.  
Agora, João, é pagaiar com toda a alma e toda a força até à linha de chegada...

Francisco Melo
João Felgueiras
João Paulo Torres
Manuel Pereira

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

"Cuméquié?"

Pensava eu que em Esposende tínhamos apenas um Speedy! O das motas!
Afinal parece que não!

Mas eu cada vez estou mais convencido de que muitas das coisas que eu pensava saber afinal são apenas a ponta do iceberg que é a minha ignorância.

E como ignorante que sou peço a quem possa e queira, que aqui me/nos esclareça!

Ora vejamos o meu dilema:

(apesar de não parecer, eu sigo as notícias cá da terra, pelos veículos oficiais).

Li então no facebook do Município (a 1 de Agosto):

E depois vi no Base (publicado a 04.08.2016):

Creio que referindo-se a isto, que é o "contrato.pdf" anexo!

E que é datado de....

Sinceramente não entendo!

Falamos de duas coisas diferentes com o mesmo nome e valor?

Falamos de quê afinal?

Há explicação para as evidências?

É que eu estou cansado de ver gente questionar a existência de Deus e dos milagres de Fátima que são assuntos sobretudo de fé e depois permanecem impávidos e serenos perante certas evidências que deviam suscitar dúvida à mais tacanha das cidadanias.

E por fim... 
Porque se noticia afinal a abertura de um concurso para um facto consumado? 
O gabinete de comunicação tem programa político próprio a cumprir?

Enfim...

Scolari, puxa aí Sargentão! Afinal entre eu e ôcê, dá prá genti dizê que os burros somos nóis!!!